Jesus Cristo

Jesus, o Cristo

Jesus Cristo é o Messias, Salvador e fundador da igreja cristã primitiva. Para os cristãos, Ele é o Senhor de suas vidas e é o Santo Filho do Deus altíssimo. Jesus Cristo é descrito em detalhe nos Evangelhos Bíblicos – sua vida, obra e ensinamentos – cada um focando diferentes ângulos. O Apóstolo Mateus o apresenta como o esperado Rei do povo judeu. O Evangelista Marcos o mostra como servo de todos.

O Evangelista Lucas tende a destacar seu caráter compassivo e bondoso para com os pobres. O Apóstolo João descreve um relacionamento fraternal com Jesus. No entanto todos concordam que Jesus é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis. A história contada nos Evangelhos abrange estágios que vão da encarnação de Cristo, ou sua entrada no mundo, até sua morte na cruz.

A apresentação total da vida de Cristo está centrada na cruz e na sua ressurreição triunfal. O Apóstolo João começa o seu Evangelho com uma referência à Palavra (João Cap.1:1), e com isso dá uma visão gloriosa de Jesus, que existia mesmo antes da criação do mundo (1:2).

O Cristo tomou parte no ato da criação (1:3). Entretanto, o nascimento de Jesus foi ao mesmo tempo um ato de humilhação e de iluminação. A luz brilhou, mas o mundo preferiu permanecer nas trevas (1:4-5, 10).

O Apóstolo Mateus e o Evangelista Lucas contam que Jesus Cristo foi concebido pelo Espírito Santo e nascido de Maria, que era virgem santa. Profetizado por Isaías e Acaz (Isaías Cap.7:10-14), seu nascimento miraculoso não foi um fato sem importância – é o cerne da história de Jesus.

O nascimento virginal é prova da Encarnação de Jesus e de que Cristo era realmente Deus. Jesus passou sua infância em Nazaré e aos 12 anos foi achado no templo conversando com os doutores da lei. João Batista andava pelo deserto conclamando o povo para o arrependimento e o batismo (Mateus Cap.3:1-6). Falava da aproximação do reino (Mateus 3:2).

Com esse mesmo tema Jesus iniciou seu ministério (4:17), o que mostra que a obra de João Batista integrava a preparação do ministério público de Jesus.

O mesmo se pode dizer sobre o rito do batismo, embora João reconhecesse que Jesus batizaria com o Espírito Santo e com fogo (3:11). João foi protagonista do primeiro ato público de Jesus – seu desejo de ser batizado (3:13-15; Lucas Cap.3:21).

Jesus veio ao mundo com uma missão e embora não fosse pecador, decidiu se submeter ao batismo para mostrar o verdadeiro caminho da redenção dos pecados da humanidade. O batismo é um símbolo da morte do homem, sepultando seus pecados e ressurgindo uma nova criatura em Cristo. É uma visão externa da mudança interna de uma pessoa.

A parte mais importante do batismo de Jesus foi a voz que desceu do céu, declarando regozijo no Filho amado (Mateus Cap.3:17). Esse pronunciamento de Deus foi o verdadeiro início do ministério de Jesus; o Pai lhe dava total aprovação para sua obra. Outro fato importante foi a manifestação do Espírito Santo sob a forma simbólica de uma pomba (3:16). O batismo de Jesus mostrou a natureza de sua missão. A tentação mostrou a natureza do ambiente em que exerceria seu ministério (Mateus 4:1; Lucas 4:1-2).

A confrontação com forças espirituais adversas ocorreram em várias situações e a todas Jesus rebateu com as Escrituras. Desenvolvido num período curto de 3 anos, o ministério de Jesus foi intenso, marcado por uma convivência rica com os discípulos que escolheu (Mateus 4:18-22; Marcos 1:16-20; Lucas 5:1-11) e que compartilharam de momentos muito especiais em que foram testemunhas de seus milagres (João 2:1-10), curas (Mateus 8:1-9:34), sermões (Mateus 5:1-7:29), encontros inusitados com pecadores (João 2:13-16; 4:1-42; 3) e líderes religiosos (Mateus 21:23-22:45), encontros e visitas a amigos (João 11; Mateus 26:6), de sua perseguição (Mateus 12:1-14; Lucas 13:10-17; João 5:9-18), sofrimento (Mateus 27: 27-44) e morte (Mateus 27: 45-50).

Incomodados com a crescente popularidade de Jesus, os líderes religiosos procuravam achá-lo em falta. Jesus começou a preparar seus discípulos, instruindo-os sobre eventos futuros, especialmente o fim do mundo. Reafirmou-lhes a certeza de sua volta e mencionou vários sinais que a precederiam (Mateus 24-25; Marcos 13; Lucas 21).

Desafiou-os a estarem vigilantes (Mateus 25:13) e diligentes (25:14-30). Com isso preparava o caminho para os eventos da prisão, julgamento, sofrimento e crucificação que se seguiram. Na noite anterior à sua prisão, porém, tomou com eles a Ceia do Senhor e lhes explicou o significado da sua morte (Mateus 26:26-30; Marcos 14:22-25; Lucas 22:19-20; 1 Coríntios 11:23-26).

Através do pão e do vinho, que simbolizavam seu corpo partido e seu rosto-de-jesussangue derramado pelos pecadores, instituiu um memorial que selava uma nova aliança. Naquela mesa estava também Judas, que no Drama Cósmico, o entregaria aos soldados e autoridades (Mateus 26:21-25; Marcos 14:18-21; Lucas 22:21-23; João 13:21-30). Depois de cear, Jesus se retirou para o Jardim do Getsêmane (Mateus 26:36-46; Marcos 14:32-42; Lucas 22:40-46) onde orou intensamente e em agonia, mas ao mesmo tempo submetendo-se à vontade do Pai. Por isso, não ofereceu resistência quando o prenderam.

Levado à presença das autoridades, Jesus foi interrogado (Mateus 27:1-2; Marcos 15:1; Lucas 23:1; João 18:28; Lucas 23:7-12) e julgado inocente por Pilatos. Mas seus inimigos escarneciam dele e incitavam a multidão pedindo sua morte. Pilatos entregou-o para ser crucificado. Foi pregado numa cruz, sofreu zombarias, açoites e humilhações, mas ainda assim expressou compaixão pelo criminoso arrependido crucificado ao seu lado (Lucas 23:39-43).

Também comoveu-se por sua mãe (João 19:25-27), orou ao Pai pelo perdão daqueles que o crucificaram (Lucas 23:34) e com um grande grito, expirou entregando a sua vida. (Marcos Cap.15:37). Naquele momento houve escuridão e um terremoto, como se a natureza reconhecesse o significado daquele evento.

O véu do templo de Jerusalém se partiu ao meio, não mais servindo como barreira ao lugar Santo dos Santos. A morte de Jesus abriu o caminho para todas pessoas chegarem livremente à presença de Deus e adorá-lo. O corpo de Jesus foi colocado numa tumba emprestada (Mateus 27:57-60; João 19:39) que, depois de 3 dias foi encontrada vazia (João 20:2-10). Cumprira-se a Escritura: “Jesus ressuscitara”. Seu aparecimento aos discípulos causou dúvida (João 20:24-29) e espanto.

Jesus ressuscitou glorificado em forma humana, porém não foi reconhecido de imediato. (João 20:15-16). Seus aparecimentos foram ocasiões de alegria e ensinamentos (Lucas 24:44 e Atos 1:3). A ressurreição transformou a tragédia em vitória. Sua ascensão aos céus aconteceu 40 dias depois da ressurreição. Jesus juntou-se ao Pai em glória (Lucas 24:51; João 20:17; Atos 1:9-11).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s